Categoria: Mamãe Blogueira

Categoria destinada à troca de experiências maternas por meio de divertidos textos da jornalista Carol Garcia

bebe-dormindo-42660

Pois é.

Estamos eu e Isaac dividindo a cama.

Maridex viajando, nos resta um ao outro.

Dramas a parte, vemos então as questões engraçadas que envolvem os dias de cama compartilhada.

E ontem foi a primeira noite.

Deitamos, oramos, trocamos umas mensagens e fotos com papai e lemos uma história.

Findada a narrativa, Isaac me cutuca e pede que eu alongue as suas pernas.

Dia difícil, né?

Dançamos tanto, rodopiamos tanto e pulamos tanto na sala, que ele até merece.

Massageei, alonguei, dei beijinho, perdi o sono.

Mas quando tentei um papinho, recebi em troca:

- Tá mamãe, agora eu tô muito cansado e preciso relaxar.

Virou as costas e me deixou alí. Olhando pro teto.

Fim.

Carol Garcia

Seja o primeiro a comentar
Categorias: Mamãe Blogueira

443405-não-balance-a-criança.-O-ideal-é-que-a-mãe-deite-com-ela-e-faça-carinhos

Cinco noites.

Cinco noites seguidas.

Cinco noites em que um menininho dá a volta na cama e vem me chamar.

Os motivos são os mais variados: sede, medo, dor de ouvido, saudade.

Ele vem, se encosta, mia na minha orelha e ganha espaço.

E sempre às 3 da manhã.

E sempre eu fico sem dormir até às 5, horário que o despertador grita não toca.

Cinco noites.

E eu nem me arrisco a fazer as contas das horas perdidas.

Não sou louca. Nem gosto de sofrer.

Mas cinco já me parece um número grande demais.

Retomemos então um outro tipo de desmame.

O do meu travesseiro.

Essa noite empresto o meu pra ele e vejo se resolve.

Mas peraí!

Papai tá indo viajar hoje?

Dias fora?

Esquece tudo.

Mamãe e filhote panda dormirão abraçadinhos.

E se os cães quiserem também serão bem vindos.

Passou o cansaço.

Aha Uhu! A cama agora é nossa.

E daqui uns dias eu retomo esse desmame.

Pra quê a pressa né?

Carol Garcia

Seja o primeiro a comentar
Categorias: Mamãe Blogueira

622x337xrelacao-mae-filho.jpg.pagespeed.ic.z53DqoH134

Visualize a cena:

A Mãe.

há tempos sem sair a noite.

se vira, pede ajuda pra avó, conversa com filhote, dá banho nele, se banha, troca a criança, se troca, se arruma, se enfia no salto, corretivo, base, sombra, blush e batom.

Se olha bem no espelho antes de se entregar aos olhares do filho e do marido que alí no quarto brincavam de alguma coisa.

Para na porta.

Marido cutuca o filho e este, no automático, já solta um mamãããããe todo miado.

Mas para.

E no pós pausa manda:

- Nossa!!!!! Nem parece que é a minha mamãe.

sem mais.

Carol Garcia

Seja o primeiro a comentar
Categorias: Mamãe Blogueira

shutterstock_103739393

Das histórias que lembro, sempre.

Quando quero rir. Só por rir.

Quando sinto o dia pesar e me agarro as fofurices infantis do Isaac.

Ou quando, sem motivo aparente, me pego no apego dos momentos delícia que só o ser mãe nos oferece.

começo este pequeno texto com uma máxima que aprendi lá não sei quando.

nunca, nunquinha, never, faça uma pergunta a uma criança se ao menos uma das possibilidades de respostas possam te desagradar/ofender/envergonhar/etc.

vizinha nos recebe em sua casa toda alegre com o menininho pedindo “doces ou tavessulas”.

uma querida.

chama as filhas, dá balinhas e nos lembra de que o dia de halloween também é o dia do seu aniversário.

aquela festa.

e ela então diz ao isaac sobre o dia das bruxas e sua data de nascimento.

e vem a pergunta fatídica.

“e vc acha que eu pareço uma bruxa?”

e vem a resposta, natural como um cochilo pós almoço.

“só falta o chapéu”

Se eu morri de vergonha?

Não morro mais.

Mas já morri sim, em várias vezes.

Mas tô aqui, ó, vivinha da silva pra contar as historias

Carol Garcia

Seja o primeiro a comentar
Categorias: Mamãe Blogueira

975461-small_238_jp_355194b

Pois bem,

Isaac é roedor de unhas assumido.

E já fica bravo quando a gente chama a atenção ou fala dos malefícios de tal vício.

Aí que ontem, ao vê-lo roendo, cutucando, puxando, eu tive mais uma vez conversinha básica sobre bactérias, doencinhas e afins.

Ele me olhou bem nos olhos, suspirou e mandou:

- Tá.

E pegou nas minhas mãos feias, secas, com resto do esmalte vermelho de moral duvidosa e cheias de cutículas de uma semana sem manicure e ânimo.

- Eu paro se você também parar.

Eu, toda horrorizada com poder de oratória do menininho que alí estava, todo cheio de confiança, coloco indignação pra fora:

- Como assim, meu filho?! Paro com o quê?

Ele segurou meus dedos mais firme e continuou:

- Olha isso! Você também está acabando com a sua mão!

- Eu?

- Olha aqui na unha!

- Mas minhas unhas estão bem compridas, Isaac! Não estão roídas!

- E esse vermelhinho aqui? Isso é bactéria!

Esfreguei uma unha na outra e tirei um pouco do esmalte pra ele ver o que era.

Ele sorriu bem canalhinha, olhou pra mim e acabou:

- E o que você fez agora? Não cutucou o canto?

Eu fiquei alí, com cara de rato que cai na armadilha.

- Então é assim. Se você parar eu paro.

Carol Garcia

Seja o primeiro a comentar
Categorias: Mamãe Blogueira

resize_then_crop_100_80

- Mamãe! Mamãe!

 

- Oi filho?!

 

- Como os pinguins botam ovos?

 

- Bom, Isaac, a mamãe pinguim….

 

- Não! É o pinguiNHO que bota.

 

- Tá. Viu no filme, né? Deixa eu explicar… A pinguiNHA bota e o PInguiNHO cuida do ovo até o bebê nascer.

 

- Não é. Eu vi na vida dos imperadores que é o pinguiNHO que faz tudo.

 

(amém, um dia será)

 

- Ok, filho, mas quem bota os ovos ou guarda os bebês na barriga são as fêmeas, mulheres…

 

- Hummmm….

 

(aí, aconteceu. bum!!!!)

 

- E como é que o ovo vai parar na pinguiNHA?

 

- PinguiNHO e pinguiNHA namoram e acontece o ovo.

 

(tá, tão complicado quanto explicar que pinguim pode ser fêmea ou macho)

 

- Não! Nasce o ovo. Depois eles namoram.

 

(um dia saberás que não é tão fácil assim, meu filho…)

 

- Será?

 

- É sim, mamãe.

 

(aí, a coisa já estava fluindo eu resolvi radicalizar)

 

- Mas me diga então, Isaac, como é que o ovo vai parar na barriga da pinguiNHA????

 

- hummmm…

 

- É mágica?

 

E aí ele riu.

Gargalhou jogando a cabeça pra trás e acabou a conversa assim:

 

- Ai ai mamãe…. quanta bobeira….

 

Carol Garcia

1 Comentário - Participe!
Categorias: Mamãe Blogueira

Happy-Boy-500x300

 

- Mãe! Ô mãe! Manhêêêê!!!!

 

E eu me seguro toda na raiva que tenho de gente que fica gritando e não desloca dois passos pra conversar.

Fico então quieta, esperando que ele já me conheça o suficiente.

 

- Mãe! Mãe! Mããããããe!

 

Continuo o que estou fazendo. Começo até a cantar uma música, como se um mantra fosse.

 

- Manhêêêêê!

 

Ignoro. Por fora, mas por dentro tô em ebulição.

Aí escuto, lá na cozinha.

 

- Roberta, você sabe onde tá a minha mãe?

 

Fervo.

Como é que ele não escutou quando eu disse que ia até o quarto e já voltava?!?!

Silêncio.

Mentira.

 

- Mãe! Mãe! Mãe! Mãe!

 

Vou até o corredor, onde avisto criaturinha toda prosa.

Ele me olha como quem diz “tava o tempo todo aí, velhota?!?”

Eu me seguro. Olho bem nos olhos dele e tenho a confirmação de que sim, ele me conhece.

Encolhe os ombros, respira fundo (sim, respira) e vem na minha direção.

Quando chega bem perto, abaixo em sua altura e pergunto, com voz de anjo o que ele quer.

Ele pensa por dois segundos, se enche de confiança e manda:

 

- Quem é minha princesa??????

 

E fecha com sorrisinho que pergunta “colou ou não?”

 

Carol Garcia

Seja o primeiro a comentar
Categorias: Mamãe Blogueira

8123685_f520

E então que ontem fomos ver a pediatra do Isaac.

Tempo mudou, rinite atacou, garganta doeu e lá vamos nós.

Mas o problema não é esse.

E nem há um problema.

Só que eu sou mãe.

E assim, dramática, emotiva e culpada por natureza.

E como em toda consulta, Isaac é examinado, pesado e medido.

Pronto.

E ficou no limite da Dona Régua, que o mede desde seus quarenta e poucos centímetros.

UM METRO E DOIS!

Saltitou a feliz doutora.

Sorriu Isaac, todo orgulhoso de si mesmo.

uéuéuéuéuéué, soou alarme na cabeça desta mãezinha aqui.

Um metro de filho, veja bem…

Viajei até a loja onde compro tecidos pro Ideias e me imaginei toda simpática:

“oi moça, hoje vou levar um metro de menininho loiro. olhos castanhos, por favor.”

Pensa.

“hoje vai ser um metro de menininho loiro, meio emburrado, de sorriso raro, please?!?”

Um metro de filho, eu já tenho.

Um metro E DOIS.

E eu não prometo que não falarei que outro dia mesmo ele era tão pequeno que se perdia nos macacões RN.

Era tão minúsculo que nem mamar conseguia direito.

Que demorou a andar, mas falou rápido.

Tão rápido quanto cresceu.

E chegou num metro.

E acha que acabou aí?

Me vira então a Querida Doutora e acaba comigo:

“pode comprar tylenol ‘criança’, porque o ‘bebê’ não dá mais”

Ploft.

 

Carol Garcia

Seja o primeiro a comentar
Categorias: Mamãe Blogueira

mame blogueira

Estou provando do meu próprio veneno.

Sou intensa.

Sou sincera.

Sou espontânea.

Aberta.

Sem papas na língua.

E sem vergonha.

Tá.

Ate aí problema meu e de quem convive comigo, que me ama e me odeia ao mesmo tempo.

Péééé.

Errado.

Pari um filho.

Que além da minha cara está herdando toda essa porção de defeitos horríveis qualidades que cabem no meu dia a dia.

Mas não joguem pedras.

Ser intenso é bom, concordo.

Mas há aí uma combinação explosiva entre intensidade e sinceridade.

Isaac fala que ama e que odeia com uma naturalidade ímpar.

E a senhora espontaneidade aniquila aqueles que são alvos do serzinho intenso e sincero que é meu filho.

A falta de vergonha – com algumas pessoas e ambientes – gera momentos avestruz e de pensamento pleno, dependendo da atitude e da palavra dita.

E tem coisa que criança não entende. Acha absurdo que um adulto fique triste ou ofendido porque ela fez o que achava certo.

E some aí o “você precisa falar o que está sentindo, meu filho”. Frase que analiso até hoje se deveria ter sido pronunciada ou não em voz alta.

Não reclamo de Isaac ser assim.

Mas ó que sinceridade, intensidade, espontaneidade, falta de vergonha e linguinha solta não formam uma boa equação nessa fase de birras e manhas e auto afirmação.

Carol Garcia

 

Seja o primeiro a comentar
Categorias: Mamãe Blogueira

mame logueira - dia 11 de abril

- Mamãe, veja bem, eu não quelo ir passear.

- Gosto. Pincipalmente aquela parte do Duende Verde.

- Realmente você não gosta mais de mim.

- Estava aqui pensando…

- Aliás, você disse que íamos ao shopping.

- Gosto de suco, polém, água mata a minha sede melhor.

- Que tal pegar um cineminha?!?!

- Mãe, você topa uma piscininha?

- Não é nada legal esse castigo.

- Eu sou um super podeloso herói intergalático!!!!

- Nananinanão! Tá pensando o quê dessa vida, hein?

- Quando chegar em casa eu vou te apertar até fazer suco de mamãe.

- Eu fiz pintula hoje, mas isso não intelessa muito.

- O que você fez hoje? (eu respondo) Intelessante….

- Posso assistir mais um pouco? Só 5 minutinhos? E 10? Meia horinha???

- Vou alí fazer xixi. MAS TEM QUE SER SO-ZI-NHO.

(Isaac, aos 4 e pouquinhos)

….

 

Carol Garcia

Seja o primeiro a comentar
Categorias: Mamãe Blogueira