desenvolvimento-bebe

O auto-controle é uma das funções mais importantes a serem desenvolvidas, já que não nascemos com essa habilidade. As crianças devem desenvolvê-lo para que possam ter capacidade de seguir regras e entender limites, algo que para todos os humanos é fundamental para vivermos em sociedade. Essa função é a competência de lidar com os fortes sentimentos e ser capaz de evitar fazer algo que muitas vezes desejamos, mas que não nos é permitido. O desenvolvimento do auto-controle inicia-se no nascimento e continua por toda a nossa vida.  As crianças pequenas aprendem-no através das interações com os colegas e a condução de seus pais e outros adultos amorosos.

  

Seja o primeiro a comentar
Categorias: Humanização e Psicologia

 

sal
Quem não gosta de ir à praia e tomar aquele banho de mar gostoso que revitaliza qualquer um? O mar é de fato uma das coisas mais belas de nossas vidas e, junto ao sol, deixa nossas vidas muito mais cheias de cor.

  

Seja o primeiro a comentar
Categorias: Cantinho do Aprendizado

bebe

Uma em cada 2 mil crianças são diagnosticadas com cranioestenose em todo o mundo. Esta é uma deformidade progressiva da cabeça do bebê que se dá pelo fechamento precoce de uma ou mais suturas cranianas – articulações fibrosas que estabelecem ligações entre os ossos desta região. Suas causas podem estar associadas a fatores genéticos e às condições da gestação.   

Seja o primeiro a comentar
Categorias: PrevençãoSaúde do Bebê

abraco

Fato. Todo mundo sofre.

Faz parte do processo.

Ser um ser pensante implica em passar pela mais vasta sorte de momentos difíceis.

E inevitavelmente, superá-los.

As vezes não. As vezes demora um monte.

Mas faz parte dessa vida também sobreviver.

Aos momentos, pessoas, situações, chatices, enfim.

Sei disso, você sabe, nossos filhos vão crescendo e aprendendo.

Tudo lindo e civilizado.

Tudo já explicado e desenhado pelas mais amplas sabedorias da psicologia.

O cosmos. Religiões.Tá.

Até que chega o dia que seu filho de seis anos chega em casa todo trabalhado na depressão.

Lágrimas nos olhos.

Se segurando (pq já tem aprendido muito dessa vidinha louca).

Depois de um tempo desaba, corre pro quarto e chora.

Sentido.

 – mãe, eu não sei o motivo, mas o fulano não quer mais ser meu amigo. Ele não me deu atenção hoje e fingiu que eu não existia.

Aguenta coração???

Respirei. Pensei.

Mas diferente daquela louca que ainda sou em alguns momentos, eu não pensei em enforcar a criança, muito menos em dizer um palavrão bem falado.

Eu estiquei meus braços, sorri, e dei colo.

Colinho. Cafuné. Deixei que ele se sentisse seguro para continuar a conversa.

E conversamos.

Sobre mostrar que não gostou da atitude do amigo. Que deve procurar saber o pq da atitude.

Sobre não se acomodar.

Sentimentos.

Sobre respeito e amizade.

Carinho.

E as diferenças entre as pessoas.

É assim crescemos.

Mais um pouco.

Cada um na sua fase, com seus limites.

Eu e ele.

Carol Garcia

Seja o primeiro a comentar
Categorias: Mamãe Blogueira

ferias

Durante os meses de férias, pais e filhos podem aproveitar para viajar, passear ou até mesmo ficar em casa. Este é um momento para redobrar a atenção já que, com a criançada cheia de energia, aumentam os riscos de acidentes.

  

Seja o primeiro a comentar
Categorias: PrevençãoSaúde da Criança